TUGAZOMBI

cadáver semi-frio com cereja na terceira narina

domingo, novembro 06, 2005

CICATRIZES

eis as cicatrizes do corpo da cidade. perto da memória, nem só fungos. há o gelo dos charcos e o fumo do esquecimento. quantas vozes e ecos debaixo das velhas tílias? perdeu-se um lenço desde a velha casa. nascendo o dia, ouve-se ainda o bulício da praça. o mundo envelheceu face à limpidez da imagem. e, no entanto, as formigas negras cresceram, incómodas. duas mulheres pisam o hálito quente da terra. uma festa, longínqua, declina. na velha estação, ao fundo do corpo, a chuva irrompe pela madrugada, queimando os dedos e as veias. o despertador acorda no espelho matando a alegria da revelação. dentro de mim, o comboio mata a cidade.

Martim de Gouveia e Sousa
in Incisões
Jornal do Centro 4/11/05

3 Comments:

Blogger Pinto Ribeiro said...

bom dia Porfirio. Bom dia Martim. abraços.

10:41 da manhã  
Blogger Mendes Ferreira said...

JÁ TINHA DITO. ACHO E VOLTO A ACHAR ESTE TEXTO "SOBERANO". BOM DIA. AOS DOIS. BJOS. AOS DOIS.

11:30 da manhã  
Blogger hfm said...

Gostei muito de ler. Muito.

3:53 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home